Por trás dos portais


                                                    

Não é uma colina intransponível por seus portões. Nem tais portões guardam qualquer segredo. Na verdade são portais para o mesmo mundo, visto com outro olhar: o olhar da sensibilidade, da emoção, da contemplação, do respeito, da comunicação viva, da suavidade, do bem querer e da misericórdia.

O Colégio Nossa Senhora das Dores fica num altiplano perfeitamente centrado entre o mundo habitual, ao nível da via pública e o mundo da espiritualidade e da devoção, no Convento.

Essa localização explica bem o principal objetivo que é o de preparar as nossas crianças e jovens para interagirem na vida, com base numa espiritualidade profunda e contagiante.

Caso não saiba, no causticante calor gonçalense, o Nossa Senhora das Dores é um refrigério com seus jardins cuidados e com o colorido das produções dos nossos alunos e professores. É lugar de alegria infantojuvenil e de trocas de experiências de vida, representadas por todos os matizes do conhecimento humano.

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á.” (Mateus, 7:7)

Ao passar pela frente do Colégio Nossa Senhora das Dores, não permita que a imponência dos partais afaste você de nós. Eles apenas simbolizam que por ali entram os de boas intenções e saem os que se destinam às melhores atitudes em prol da fraternidade e do amor, por meio da educação e da fé consolidada.

2 comentários em “Por trás dos portais”

  1. No parágrafo em que diz sobre os portais que cercam a escola e que muitos que passam pela calçada sentem-se intimidados, me remeteu a um passado não tão longe. Passei por várias vezes diante destes portais e um dia tomei coragem e os enfrentei… deixei um simples papel em que nele estava escrito toda minha trajetória de vida educacional – e olha que nem era tão extensa assim- recebi logo a certeza de que Deus nos acompanha, nos leva no colo, nos faz acreditar cada dia mais em sua existência. Um belo dia, o telefone toca…uma senhora de nome Vera de Deus me fez acreditar com um simples “-alo!” , que aqueles portais desabaram, como o mar se abriu,quando Moisés tocou sua bengala no chão para que os cristãos fossem salvos por Deus…e assim estou fazendo parte desta história até os dias de hoje…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *